Cerca de 16 milhões de brasileiros são diabéticos, e quase 90% dos casos são do tipo 2.

diabetes-tipo-2 Diabetes tipo 2 pode estar associada à obesidade e outras doenças

Cerca de 16 milhões de brasileiros convivem com a diabetes, doença crônica causada pela produção insuficiente ou a má absorção da insulina. Do total de casos, quase 90% se referem à diabetes tipo 2, o que corresponde a 14 milhões de pessoas. Conhecer as causas, os fatores de risco, as formas de prevenção e as possibilidades de tratamento são ações necessárias para combater o problema.

A diabetes tipo 2 pode atingir pessoas de diversas idades, mas é mais comum em adultos com histórico da doença na família, que estão acima do peso e são sedentários. Tais condições são apontadas como fatores de risco para o desenvolvimento do problema.

No entanto, muitos brasileiros negligenciam ou desconhecem os fatores de risco. Por isso, as autoridades de saúde alertam sobre a possibilidade de a doença evoluir de forma silenciosa. De acordo com o Ministério da Saúde, há casos em que a pessoa convive com a doença sem saber, e o diagnóstico acontece a partir da evolução do quadro e a manifestação de sintomas.

Após o diagnóstico, o paciente deve ter acompanhamento médico para receber o tratamento adequado e as instruções necessárias para evitar as complicações que a diabetes pode trazer.

Veja também:  1Win app: Por que você deve baixar o aplicativo?

Para o tratamento, os médicos aconselham a inclusão de hábitos saudáveis como alimentação balanceada e prática de atividade física regular. De acordo com o caso, também podem orientar sobre os benefícios do Ozempic 1 mg e outras medicações para o controle da doença.

Doenças associadas: por que isso acontece?

Os fatores de risco da diabetes tipo 2 ajudam a explicar sobre as doenças associadas à condição. Estar acima do peso, ser sedentário e não adotar hábitos saudáveis no dia a dia não só aumentam as chances de desenvolver a doença, mas também propiciam outras enfermidades.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), as doenças cardiovasculares estão associadas à diabetes, como é o caso de infarto, acidente vascular cerebral (AVC) e entupimentos de artérias, principalmente, nos membros inferiores. Além disso, a condição também tem relação com a obesidade e a formação de aneurismas.

A SBD explica que, quando a diabetes se instala no corpo humano, potencializa outras condições de risco, como pressão alta e colesterol elevado, que se não tratadas podem causar muitos problemas à saúde.

Os problemas renais, por exemplo, podem acontecer por conta da má regulagem de glicose no sangue. Como a função dos rins é filtrar o sangue, e o excesso de açúcar presente nos vasos sanguíneos aumenta a quantidade de líquido a ser filtrado, há a sobrecarga.

Veja também:  Produtos PLR: o que são e seus benefícios

Já os problemas cardiovasculares ocorrem devido à alta da glicemia, que causa a formação de coágulos e placas de gordura nos vasos, aumentando a chance de obstrução das artérias. Como consequência, há a diminuição da oxigenação do coração e de outras regiões do corpo.

Como identificar a diabetes tipo 2?

A diabetes se caracteriza pela dificuldade na produção ou absorção da insulina, hormônio que regula a glicose no sangue e garante energia ao organismo. De acordo com as informações da Secretaria de Saúde do Governo do Estado do Paraná, a condição pode causar o aumento da glicemia e causar complicações nas artérias, nos rins, nos nervos, nos olhos e, também, no coração.

A forma mais comum de diabetes é a do tipo 2 que, conforme explica o Ministério da Saúde, ocorre quando o corpo não aproveita adequadamente a insulina produzida. Inicialmente, ela costuma ser assintomática, e as manifestações acontecem apenas com a evolução do quadro e a possibilidade de complicações tardias.

Entre os sinais mais comuns da doença estão: fome frequente, sede constante, formigamento nos pés e nas mãos, vontade de urinar diversas vezes, infecções, feridas que demoram para cicatrizar e visão embaçada.

Como tratar a diabetes

A diabetes não tem cura, mas é possível controlá-la para conviver bem com a condição. Com as informações necessárias, acompanhamento médico e disciplina, o paciente pode adotar novos hábitos e iniciar o tratamento adequado para minimizar os riscos de complicações.

Veja também:  Cupom de Desconto Mercado Livre 2024 Funcionando

Em entrevista à imprensa, o cardiologista e clínico geral Abrão Cury apontou que, além de uma dieta equilibrada e a prática de exercícios físicos, em alguns casos, pode ser necessário o uso de medicamentos para controlar a glicemia do paciente.

Nesse contexto, podem ser indicados antidiabéticos orais e/ou insulina, dependendo do tipo e gravidade da doença. No caso dos pacientes que recorrem à insulinoterapia, é aconselhável ter em casa um glicosímetro, aparelho que possibilita medir a concentração exata de glicose no sangue, para o monitoramento do quadro.