Universidades realizam pesquisa sobre os impactos da covid-19 em grávidas e pós-paridas

A fim de entender os impactos da pandemia da covid-19 em grávidas e mulheres que passaram pelo pós-parto nesta quarentena, a Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs) e a Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) lançaram, na última quarta-feira (23), a pesquisa “Percepções de gestantes e puérperas sobre os impactos da pandemia de Covid-19 no seu ciclo gravídico-puerperal”.

O estudo será feito por um questionário, ao qual podem responder mulheres com até 45 dias de parida, ou seja, puérperas, e gestantes. São 59 questões fechadas e 2 abertas, que servirão de base para o desenvolvimento de uma rede de colaboração, formulação de estratégias de orientação e apoio nesse contexto. O questionário pode ser respondido até as 23h59 do dia 31 de outubro.
A pesquisa tem o intuito de fortalecer a produção de conhecimento científico sobre aspectos da covid-19 fora dos grandes centros, visto que é fruto de uma parceria entre instituições de ensino superior, a UEFS e a UNIVASF, que se localizam no interior do Nordeste. A pesquisa busca possibilitar diálogo com as políticas públicas atuais e compreensão do acesso a serviços e informações de qualidade para este público.
Para participar, a gestante ou puérpera deve ser brasileira, alfabetizada, com idade maior de 18 anos completos e não pode possuir transtornos mentais severos e persistentes com diagnóstico estabelecido, antes mesmo da gestação. As informações obtidas serão utilizadas para fins da pesquisa e serão manejadas em total sigilo, com a identidade da participante preservada.

As colaboradoras da pesquisa receberão, nos contatos cadastrados, cards com orientações sobre cuidados e riscos baseados em evidências científicas e os resultados da pesquisa de forma objetiva e com linguagem acessível. Os resultados da investigação serão divulgados por meio de eventos e publicações científicas, contribuindo para o avanço da ciência.
O questionário está disponível neste link.

Fonte: Correio24horas