Ação da Hidrovias do Brasil (HBSA3) estreia na B3 em queda

SÃO PAULO – As ações da Hidrovias do Brasil (HBSA3) estrearam em queda na sessão desta sexta-feira (25). Os papéis HBSA3 registram, às 10h26 (horário de Brasília), baixa de 2,91%, a R$ 7,34.Os acionistas da companhia levantaram na quarta-feira R$ 3,4 bilhões em oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês), a maior do ano até agora. A empresa de logística precificou suas ações a R$ 7,56 cada, no piso de sua faixa estimada de preço, de acordo com dados disponíveis na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).Os papéis estão listados no segmento do Novo Mercado, o mais alto nível de governança da bolsa brasileira.

A Hidrovias do Brasil é uma das maiores companhias prestadoras de serviços de logística integrada independente com foco em logística hidroviária da América Latina.Fundada em 2010 pelo fundo Pátria, além da logística, a empresa faz também armazenamento e outros serviços relacionados, como transbordo e terminais portuários e frota própria de barcaças, empurradores e navios de cabotagem.A Hidrovias do Brasil opera quatro terminais portuários e atua em dois dos maiores sistemas fluviais navegáveis da América do Sul: o sistema fluvial dos rios Trombetas, Tapajós e Amazonas, ou “Corredor Norte”, e o dos rios Paraguai-Paraná, ou “Corredor Sul”.A empresa ainda fornece serviços de navegação costeira no Corredor Norte e ao longo do litoral brasileiro.Em 2019, o lucro líquido da companhia foi de R$ 58,609 milhões, queda de 64% ante os R$ 162,116 milhões de lucro marcados no ano anterior. Já o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda na sigla em inglês) subiu forte, passando de R$ 114,8 milhões para R$ 449,197 milhões.Na comparação dos dois últimos anos, por sua vez, a dívida líquida da Hidrovias do Brasil avançou de R$ 1,852 bilhão para R$ 2,031 bilhões.

Fonte: InfoMoney