Ibovespa descola do exterior, ganha força e sobe 1% com ações de bancos; dólar vira para queda

SÃO PAULO – O Ibovespa se firmou em campo positivo nesta quinta-feira (24) após abrir entre perdas e ganhos com uma tentativa de recuperação das baixas recentes. O movimento é puxado por ações de bancos, o que descola a bolsa brasileira de Wall Street, que chegou a ganhar força por volta das 11h, mas segue em uma sessão volátil.Por aqui, os investidores repercutem o Relatório Trimestral de Inflação (RTI) divulgado hoje. O Banco Central reforçou a mensagem de que, apesar de uma assimetria em seu balanço de riscos para a inflação para o lado altista, não pretende subir a Selic a menos que o quadro para o avanço de preços na economia ou o regime fiscal sejam modificados.Também no radar, segue forte a preocupação dos investidores com a segunda onda do coronavírus. O número de novos casos diários no Reino Unido subiu 25% de um dia para outro, segundo a BBC. O país reportou ontem 6.178 infecções, alta de 1.252 desde terça-feira.

Dois ministros alemães, Heiko Maas and Peter Altmaier, estão em quarentena depois de terem tido contato com pessoas infectadas pelo vírus.Hoje, o presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, e o secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, testemunham perante o Senado. Dirigentes de Fed Dallas, Robert Kaplan; Fed St. Louis, James Bullard; Fed Chicago, Charles Evans; Fed Richmond, Thomas Barkin; Fed de NY, John Williams também terão discursos.Primeiro a falar, Kaplan disse que os Estados Unidos ainda não estão fora de perigo, embora estejam se recuperando do choque da pandemia de novo coronavírus. Além disso, ele previu que o desemprego nos EUA não deverá voltar a níveis anteriores à crise da covid-19 antes de 2023.O presidente do Banco Central brasileiro, Roberto Campos Neto, e o diretor de política econômica do BC, Fábio Kanczuk, falam às 11h em coletiva de imprensa.Às 12h, o Ibovespa tinha alta de 1,32%, aos 97.000 pontos.Enquanto isso, o dólar comercial recua 0,05% a R$ 5,5830 na compra e a R$ 5,5840 na venda. Já o dólar futuro para outubro registrava variação negativa de 0,23%, a R$ 5,578.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 cai três pontos-base a 2,96%, o DI para janeiro de 2023 recua dois pontos-base a 4,46%, o DI para janeiro de 2025 tem queda de um ponto-base a 6,47% e o DI para janeiro de 2027 registra variação negativa de dois pontos-base a 7,42%.O cenário político nesta quinta é dominado pelos movimentos do governo para criar um novo imposto. Para reduzir as resistências, o governo está negociando na Câmara a possibilidade de aprovar a reforma tributária em troca da criação da uma nova CPMF com a desoneração da folha de pagamento.Além disso, o governo já definiu um novo programa social para substituir o Bolsa Família, que deve ser chamado de Renda Cidadã. Outro destaque foi a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de enviar para o plenário virtual da Corte a decisão sobre como deve ser o depoimento de Jair Bolsonaro – se pessoalmente ou por escrito.Nos EUA, o presidente Donald Trump recusou-se a se comprometer com uma transferência pacífica de poder caso seja derrotado pelo candidato democrata Joe Biden nas eleições de novembro. “Teremos que ver o que acontece”, disse Trump, em resposta à pergunta de um repórter em coletiva na Casa Branca.Entre os indicadores, os Estados Unidos tiveram 870 mil novos pedidos por seguro-desemprego na semana passada, mostrou o Departamento de Trabalho do país. Este número foi maior do que a mediana das expectativas dos economistas compilada no consenso Bloomberg, que apontava para 840 mil requisições do benefício no período.Evento de FIIsEsta quinta-feira marca o terceiro dia do maior evento de fundos imobiliários do país. Online e gratuito, o FII Summit – Fórum de Fundos Imobiliários, realizado pelo InfoMoney, reúne executivos de algumas das maiores construtoras e incorporadoras do país, além de economistas, analistas e gestores de FIIs, que vão discutir as tendências desse mercado nos seus diversos segmentos (comercial, hoteleiro, logístico e residencial).Para participar do FII Summit, que conta com apoio da XP Investimentos, basta se cadastrar gratuitamente no site do evento. Confira a programação completa clicando aqui. Nova CPMFO mercado acompanha os movimentos do governo para criar um novo imposto. Para reduzir as resistências, o governo está negociando na Câmara a possibilidade de aprovar a reforma tributária em troca da criação da uma nova CPMF, com a desoneração da folha de pagamento.

Segundo O Estado de S.Paulo, a estratégia pretende “pegar carona” na votação da reforma. Neste acordo, a CPMF seria incluída na proposta de reforma tributária que está tramitando na Câmara, a PEC 45.Com isso, a ideia é conquistar a aprovação do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que é contrário à CPMF, mas pode mudar sua posição em troca do apoio do governo para a propostas de reforma tributária que está na Câmara, segundo o jornal.Ontem, o ministro da Economia Paulo Guedes anunciou a ofensiva para a criação do imposto. Ele citou a criação de “tributos alternativos” para garantir a desoneração da folha de pagamentos e ligou o imposto ao financiamento do novo programa de renda mínima que será criado na PEC do Pacto Federativo, de acordo com a Folha de S.Paulo.“Queremos desonerar, queremos ajudar a buscar emprego, facilitar a criação de empregos, então vamos fazer um programa de substituição tributária”, disse Guedes.O ministro pretende desonerar totalmente o salário mínimo em todos os setores. Para contratos com remuneração maior, a contribuição cairia de 20% para 15%, de acordo com O Globo. O imposto sobre transações compensaria a perda.Ontem, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), afirmou que o veto do presidente Jair Bolsonaro à desoneração da folha salarial deve ser derrubado pelo Congresso Nacional. Se o cenário se concretizar, empresas de 17 setores da economia terão o benefício garantido até o fim de 2021.Ainda sobre questões tributárias, ontem foi sancionado o projeto de lei que altera a atual cobrança do ISS pelos municípios brasileiros. A iniciativa transfere a competência de cobrança do imposto para o município onde o serviço é prestado ao usuário final.Também foi sancionada a lei que permite a prorrogação por mais um ano de incentivos fiscais a empresas exportadoras, suspendendo temporariamente o pagamento de tributos federais como o Imposto de Importação, o IPI e o Cofins por concessões de drawback, segundo a CNN Brasil.

Em meio às discussões sobre a reforma administrativa, enviada ao Congresso no início deste mês, chama atenção a informação de que a Advocacia-Geral da União (AGU) promoveu 607 procuradores federais. Desse total, 606 foram promovidos para o topo da carreira e irão receber R$ 27,3 mil,, segundo O Globo.Renda CidadãA criação do Renda Brasil foi derrubada pelo presidente Jair Bolsonaro, mas o governo já definiu um novo programa social para substituir o Bolsa Família, que deve ser chamado de Renda Cidadã. A informação foi dada ontem pelo relator da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do chamado Pacto Federativo, senador Márcio Bittar (MDB-AC).De acordo com O Estado de S.Paulo, o presidente deu aval para Bittar negociar o tema no Congresso. O relator fará um parecer com um conjunto de medidas para cortar despesas, enquanto os senadores incluirão propostas impopulares para abrir espaço no Orçamento, garantindo a criação do novo programa.Segundo o jornal, o projeto terá medidas que atingem servidores, propostas de retirar a obrigatoriedade de dar reajustes e desvinculação do Orçamento. Além disso, deve ocorrer a eliminação do piso para a saúde e educação.No noticiário nacional, outro destaque foi a decisão do ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), de enviar para o plenário virtual da Corte a decisão sobre como deve ser o depoimento de Jair Bolsonaro – se pessoalmente ou por escrito. A decisão ocorre no contexto das investigações que apuram se o presidente tentou interferir na Polícia Federal.O início do julgamento foi marcado para 2 de outubro. Segundo o Estado de S.Paulo, neste modelo os magistrados apenas depositam no sistema eletrônico seus votos escritos, sem debates, sem exposição à opinião pública ou transmissões ao vivo da TV Justiça.Além disso, o presidente editou uma medida provisória que disponibiliza um montante de R$ 10 bilhões para empréstimos a micro e pequenas empresas cuja venda de produtos seja feita por meio de máquinas de cartões de crédito e débito, segundo a Folha de S.Paulo.Segundo o governo, o programa tem como objetivo de diminuir os efeitos econômicos negativos causados pela pandemia da Covid-19.Ainda sobre meios de pagamento, o presidente Jair Bolsonaro editou o decreto que institui a plataforma de pagamentos de valores à Conta Única do Tesouro Nacional, o chamado PagTesouro. Segundo a CNN Brasil, será possível pagar por serviços públicos sem precisar preencher boleto ou se deslocar para alguma instituição financeira.Em meio à crise ambiental e à fuga de capital estrangeiro do Brasil, o Ministério Público Federal cobrou à Justiça que avalie o afastamento imediato do ministro Ricardo Salles do cargo. Segundo o Estado de S.Paulo, o pedido foi anexado nos autos da ação de improbidade apresentada em julho que pede a saída do ministro do governo por ‘desestruturação dolosa’ das políticas ambientais.Radar corporativoNo noticiário corporativo, o aumento da volatilidade do mercado fez com que o banco de investimento BR Partners decidisse cancelar sua listagem, segundo o Valor Econômico. Ao mesmo tempo, a Hidrovias do Brasil emplacou sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) com preço no piso da faixa indicativa.Além disso, a CVC informou que está avaliando alternativas de captação ou rolagem de dívida com os credores. De um endividamento total na ordem de R$2 bilhões, R$600 milhões vencem em novembro de 2020. A empresa disse que tem caixa de R$ 1,5 bilhão e está preparada para a retomada integral de suas operações.Outro destaque é o pedido de convocação de uma Assembleia Geral Extraordinária na JBS, feita pelo BNDESPar, que quer discutir as consequências dos atos ilícitos de ex-administradores sobre os negócios da empresa.

Fonte: InfoMoney