Ações brasileiras são recomendadas pelo Bradesco BBI, mas volatilidade segue no radar

Por conta dos obstáculos nos próximos meses, o portfólio foca em ações de valor e no longo prazo (Imagem: Reuters/Amanda Perobelli)
O Brasil continua com classificação ‘overweight’ para ações brasileiras em portfólio para a América Latina do Bradesco BBI, que vê o Congresso apoiando a equipe econômica na manutenção do teto de gastos, embora admita que precisa de mais alguns meses para garantir uma clareza maior.
A equipe liderada por Andre Carvalho estima que o Ibovespa (IBOV) terminará o ano em 107 mil pontos, cerca de 12% acima do patamar atual, avançando para 130 mil pontos no final de 2021. No momento, eles veem ações brasileiras precificando altos riscos políticos e fiscais.
“Políticos irão apoiar a equipe econômica para cumprir o limite de gastos em 2021 e parar de pagar ajuda de emergência antes que a vacina contra Covid-19 chegue? Achamos que sim, mas reconhecemos que precisaremos de alguns meses para garantir uma maior clareza”, observaram em relatório a clientes.
Carvalho e equipe avaliam que os prêmios de risco irão diminuir, com austeridade fiscal e recuperação dos lucros, que o caminho terá obstáculos nos próximos meses, o que os faz manter um portfólio posicionado em ações de valor, com foco no longo prazo e de companhias exportadoras atrativas.
Na América Latina, o Bradesco BBI tem classificação ‘neutra” para México e Peru e ‘underweight’ para Colômbia, Chile e Argentina.

 

Empresas
Ticker

Itaú Unibanco
ITUB4

Santander Brasil
SANB11

B3
B3SA3

BR Distribuidora
BRDT3

Lojas Renner
LREN3

NotreDame Intermédica
GNDI3

Ecorodovias
ECOR3

Iguatemi
IGTA3

Vale
VALE3

Petrobras
PETR4

Também fazem parte Banorte, Bolsa Mexicana, Walmex, Fibra Danhos e Pinfra, do México; Copec COPEC e CMPC, do Chile; e Credicorp, do Peru.

 

Fonte: MoneyTimes