Vídeo: estudantes protestam em frente ao MEC contra cortes na Educação

Estudantes se reuniram em frente ao Ministério da Educação (MEC), na manhã desta quinta-feira (17/9), para protestar contra o corte de R$ 1,57 bilhão no orçamento da pasta deste ano. Segundo o ministro da Educação Milton Ribeiro afirmou à pasta de Economia, aulas em 29 institutos federais podem ser interrompidas por causa da tesourada.O corte, ainda em discussão no governo, também afetaria programas que são bandeiras da gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), como a implementação de escolas cívico-militares e a alfabetização infantil. Apenas a ação de “desenvolvimento da educação básica” pode perder 80% dos seus recursos ainda disponíveis.Mais sobre o assuntoBrasilBolsonaro desconsiderou 1º colocado para Reitoria de 38% das universidadesDesde 2019, Bolsonaro recebeu 38 listas tríplices. Das 26 com decisão publicada no DOU, 10 não respeitaram o nome do vencedorEconomiaMEC alerta que corte de verba afetará 29 institutos e 175 mil alunosO aviso foi feito pelo ministro Milton Ribeiro em oficio enviado à pasta da Economia e à área de orçamento da Presidência da RepúblicaPolíticaGoverno quer tirar verbas da Educação, Cidadania e Agricultura para obrasIdeia é turbinar o Plano Pró-Brasil de investimentos públicos e outras ações apadrinhadas por parlamentaresA tesourada chega no momento em que o presidente percorre o país para inaugurar obras e tentar impulsionar ainda mais sua popularidade. Nesta manhã, o ato contra a medida do governo foi organizado pelo Diretório Central dos Estudantes (DCE) da Universidade de Brasília (UnB) e pela União Nacional dos Estudantes (UNE).Confira, seguir, imagens da manifestação realizada nesta manhã:Manifestação contra cortes na EducaçãoEstudantes se reuniram em frente ao MEC na manhã desta quinta-feira (17/9)Rafaela Felicciano/MetrópolesManifestação de estudantes contra cortes na EducaçãoEles protestavam contra os cortes de verbas na EducaçãoRafaela Felicciano/MetrópolesManifestação de estudantes contra cortes na EducaçãoO governo federal irá cortar R$ 1,57 bilhão do orçamento da pasta deste anoRafaela Felicciano/MetrópolesManifestação de estudantes contra cortes na EducaçãoO ato foi organizado pelo DCE da UnB e pela UNERafaela Felicciano/MetrópolesManifestação de estudantes contra cortes na EducaçãoEstudantes manifestavam também contra a intervenção do governo nas universidades públicasRafaela Felicciano/MetrópolesManifestação de estudantes contra cortes na EducaçãoRafaela Felicciano/Metrópoles0O deputado distrital Fábio Felix (PSOL) esteve na manifestação e disse ao Metrópoles que os protestos envolvem ainda uma segunda pauta: a luta contra a intervenção do governo federal nas universidades públicas.“As universidades têm uma tradição histórica, democrática, de escolha de seus reitores, de seus dirigentes. A UnB passou por um processo agora de eleição, escolheu quem deve ser a dirigente pelos próximos quatro anos, que é a professora Márcia Abrahão, e nós estamos na luta contra a intervenção [do governo]”, defendeu o deputado.Veja, abaixo, imagens da manifestação e o que disse o distrital sobre os protestos:Reitoria da UnBA nomeação para as reitorias federais deve passar por diferentes etapas, como a definição da lista tríplice de candidatos e a posterior aprovação pelo governo federal. Na tarde desta quinta, o Conselho Universitário da UnB (Consuni), se reunirá para definir a lista que será apresentada ao presidente Jair Bolsonaro.Historicamente, os candidatos mais votados por professores, alunos e servidores são sempre referendados pelo Executivo Nacional. Bolsonaro, no entanto, tem surpreendido ao contrariar a escolha da comunidade acadêmica nomeando dirigentes não vitoriosos para chefiar universidades e institutos federais.Apesar disso, a recém-eleita reitora da UnB Márcia Abrahão afirmou em entrevista à Grande Angular que tem “boa expectativa” em relação à escolha do presidente. “A comunidade disse, com muita firmeza, o que quer para a UnB. Fomos eleitos em primeiro turno”, afirmou. “Temos uma comunidade muito aguerrida”, destacou.

Fonte: Metropoles