Arquivos

Categorias

  • Nenhuma categoria

Taxas de títulos do Tesouro Direto operam próximas da estabilidade nesta terça-feira

SÃO PAULO – No primeiro dia de reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), as taxas oferecidas pelos títulos públicos negociados via Tesouro Direto operam próximas da estabilidade na manhã desta terça-feira (15).
O título indexado à inflação com juros semestrais e prazo em 2055 pagava uma taxa anual de 4,03% – a mesma apresentada na segunda-feira (14). Os papéis com vencimentos em 2035 e 2045, por sua vez, ofereciam um prêmio anual de 3,80%, frente 3,79% a.a. anteriormente.
Entre os papéis com retorno prefixado, o com vencimento em 2023 pagava uma taxa de 4,19%, ante 4,20% a.a. ontem. Já o juro pago pelo mesmo papel com prazo em 2026 era de 6,67% ao ano, ante 6,66% a.a. no último pregão.
No câmbio, o dólar operava em queda de 0,9% ante o real, negociado a R$ 5,22, por volta das 10h.
Confira os preços e as taxas dos títulos públicos nesta terça-feira (15):
Fonte: Tesouro Direto
Cortes de despesas
No âmbito doméstico, com a aposta majoritária de manutenção da Selic pela autoridade monetária, a atenção dos investidores se volta para a notícia de que o governo planeja revisar quase 2 milhões de benefícios destinados a idosos e pessoas carentes com deficiência.
Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a economia com as medidas seria de R$ 10 bilhões por ano. A mudança está sendo preparada pelos Ministérios da Economia e da Cidadania, segundo a reportagem, e seria feita por meio de decreto.
Leia também:
• Como escolher um fundo de investimento? Confira o comparador de fundos do InfoMoney
Destaque ainda para a informação de que o governo quer congelar aposentadorias e pensões por dois anos para dar espaço à criação do Renda Brasil no Orçamento de 2021. Além disso, o governo busca desvincular o salário mínimo dos benefícios previdenciários.
Também chama atenção a notícia de que representantes da bancada evangélica se articulam para derrubar o veto do presidente Jair Bolsonaro ao perdão de dívidas tributárias das igrejas.
Quadro internacional
Assim como no Brasil, os investidores monitoram hoje o primeiro dia de reunião, nos Estados Unidos, do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc), do banco central americano, que irá definir o rumo da taxa básica de juros do país. A expectativa é pela manutenção dos juros no patamar atual, próximo de zero.
As atenções também recaem sobre os dados da produção industrial chinesa, que cresceu 5,6% em agosto ante o mesmo período de 2019. O resultado veio levemente acima da projeção dos economistas consultados pelo jornal The Wall Street Journal, que estimavam uma alta de 5,2% na base anual.
Já as vendas do varejo cresceram 0,5%, primeiro resultado positivo neste ano, segundo o National Bureau of Statistics. Mesmo assim, as vendas caem 8,6% no acumulado do ano.

Fonte: InfoMoney