Arquivos

Categorias

  • Nenhuma categoria

Estudo mostra que sintomas da Covid-19 podem durar mais de um mês

Um estudo do Centro de Triagem e Diagnóstico (CTD) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) mostrou que algumas pessoas com a Covid-19 podem permanecer contagiosos por mais de 30 dias. Isso significa até duas semanas a mais do que o tempo estabelecido por autoridades de saúde para liberar pacientes do isolamento.De acordo com a pesquisa divulgada pelo jornal O Globo, até 20% dos pacientes continuam com o vírus ativo no organismo por mais de um mês depois do aparecimento dos primeiros sintomas. Enquanto isso, 60% deles ficam por apenas 14 dias.A Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde estabeleceram 14 dias como a média do período de contágio da Covid-19.Os pesquisadores do Rio de Janeiro observaram que alguns assintomáticos permanecem positivo por um longo período de tempo. Eles sustentam que três semanas é o tempo ideal para liberar uma pessoa do isolamento social, uma vez que a carga viral permanece elevada por cerca de 14 a 21 dias, com alto risco de contaminação.Mais sobre o assuntoSaúdeSeca ou Covid-19? Saiba como diferenciar os sintomas nas duas situaçõesAlguns sinais de desidratação por conta do tempo na capital federal podem ser confundidos com os de infecções respiratóriasSaúdeCovid-19: 90% das pessoas relatam sintomas até 3 meses depois da infecçãoPesquisa foi feita pelo Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos, e apontou que sinais como fadiga podem demorar a voltar ao normalSaúdeCovid-19: diarreia, vômito e dor de barriga são sintomas comuns em criançasPesquisa da Irlanda do Norte mostra que distúrbios gastrointestinais foram relatados por 19% dos pacientes com diagnóstico positivoSaúdeSintomas de Covid-19 podem incluir inchaço nos testículos, sugere estudoCaso de um paciente de 37 anos com inchaço e dor nesta parte do corpo foi relatado em revista científica dos Estados UnidosOs mesmos pesquisadores identificaram uma paciente brasileira que permaneceu contagiosa por cinco meses. Eles constataram que se tratava da mesma infecção. O caso foi o mais duradouro documentado até o momento.Prancheta-17Yanka Romao/MetrópolesPrancheta-25Yanka Romao/MetrópolesPrancheta-34Yanka Romao/MetrópolesPrancheta-41Yanka Romao/MetrópolesPrancheta-51Yanka Romao/MetrópolesPrancheta-61Yanka Romao/Metrópoles0

Fonte: Metropoles