Arquivos

Categorias

  • Nenhuma categoria

Estudo com vacina inglesa é pausado também na Bahia

Depois de um paciente apresentar reação grave, os estudos com a vacina criada pela Universidade de Oxford e pela farmacêutica AstraZeneca, na Inglaterra, foram paralisados também no Brasil. Em Salvador, os mais de mil voluntários que já receberam pelo menos uma dose da vacina, aguardam novas instruções do laboratório que gere a pesquisa no país. Na capital, o estudo começou no dia 10 de julho e desde então 1.100 voluntários já receberam a primeira dose do medicamento, e 500 já tomaram a segunda. No total, o estudo, que foi iniciado em 10 de julho na cidade, vai contar com 2.500 soteropolitanos.

Procurado pelo CORREIO, o Instituto D’Or de Pesquisa e Ensino, que realiza os estudos no país, afirma que a pausa é comum ao procedimento. “Como parte dos estudos clínicos randomizados e controlados da vacina de Oxford contra o coronavírus em andamento, nosso procedimento padrão de revisão foi acionado e voluntariamente pausamos a vacinação para permitir a revisão dos dados de segurança por um comitê independente. Esta é uma ação rotineira que deve acontecer sempre que for identificada uma potencial reação adversa inesperada em um dos ensaios clínicos, enquanto ela é investigada, garantindo a manutenção da integridade dos estudos”, diz a nota enviada pelo instituto.
Uma das mais de 19 mil pessoas que se inscreveram para participar de forma voluntária dos estudos em Salvador, o dentista Igor Menezes, 36 anos, foi selecionado e tomaria a segunda dose da vacina na última terça-feira (8). Ao invés disso, recebeu uma ligação adiando o procedimento para a próxima segunda-feira (14).  “Não sei se esse já é o tempo que eles sabem que demora para regularizar tudo, ou se podem acabar adiando de novo, mas estou tranquilo. Antes de tomar a vacina eles já avisaram que já haviam acontecido duas reações e mesmo assim eu quis tomar. Agora são três num universo de milhares, então nada muda. Não tive vontade de parar, de desistir. Vou esperar a marcação da segunda dose” , conta
Já a médica pneumologista Larissa Voss Sadigursky, que também participa dos estudos, recebeu as duas doses nos dias 21 de julho e 28 de agosto, e se diz segura. “Sei que esse é um procedimento super comum em qualquer pesquisa que envolva vacina. Diversos medicamentos que hoje e a gente usa já passaram por isso. A vacina já foi aplicada em mais de 10 mil pessoas e esse é um caso. Essa pausa só mostra a seriedade com que o estudo está sendo feito, apesar de estar acontecendo de forma acelerada, não se está pulando etapas básicas de segurança”, comenta ela, que não sentiu qualquer efeito colateral grave, apenas experimentando leve dor no corpo e enjoo nos dias seguintes à dose.

Pausa natural Questionada pelo CORREIO sobre uma expectativa de retomada dos testes, a assessoria do  Instituto D’Or disse não ter ainda essa informação. Especialistas afirmam, no entanto, que a pausa é natural. “Eventos adversos como esse são muito comuns nessa fase de pesquisa. E o estudo, quando isso acontece, tem que ser parado por um momento e o caso investigado, até para confirmar se o que ocorreu foi relacionado à vacina, se teve alguma outra causa que pode ter levado o paciente a essa complicação. É muito cedo para criar a associação de que a vacina faz mal ou que causa efeitos colaterais”, explica a médica infectologista do Hospital CardioPulmonar, Clarissa Ramos.
A médica comenta ainda sobre a mielite, reação que acabou gerando a pausa nos estudos. “Essa inflamação nos nervos pode acontecer em algumas doenças virais, como a própria infecção por zika, que tem um quadro parecido. Outras vacinações prévias podem levar também a esse quadro. È algo raro, mas que pode acontecer, tanto com doenças virais quanto com outras vacinas”, comenta.
Ela destaca, ainda, que reações como essa podem acontecer em processos de estudo para novas vacinas e que a pausa é justamente para entender se essa reação pode acontecer com um universo grande de pessoas quando a vacina vier a ser liberada “Com a vacina a gente tá tentando estimular o nosso sistema imunológico a combater uma doença. Em geral esses quadros de inflamações ocorrem, muitas vezes, por uma reação autoimune. Então é preciso parar para avaliar se foi a vacina que causou isso ou se é uma reação do corpo daquela pessoa, que depende de cada organismo. O que precisa ser avaliado é a proporção. Porque todo medicamento, toda vacina, pode trazer um efeito colateral, um prejuízo. Então é preciso avaliar, em se tendo um efeito desse, qual o percentual de pessoas que corre risco de desenvolvê-lo”, finaliza ela.

Fonte: Correio24horas